Publié le 27 Juin 2016

A tecnologia de alimentos é fundamental para a sociedade contemporânea. Integra técnicas para uniformização da produção, transporte, armazenagem, distribuição de alimentos, aumento do shelf-life e conservação do potencial nutricional dos alimentos, que além de melhorar a produtividade, permitem atingir um nivel de qualidade cada vez melhor. Destaca-se que a tecnologia envolve grandes áreas, a saber: biologia, físico-química, engenharia de alimentos, medicina veterinária, agronomia, zootecnia, quimica, bioprocessos, farmácia e nutrição.

Quando observamos a evolução dos processo de produção de alimentos e a qualidade dos mesmos constatamos que as crises políticas e sociais estão historicamente relacionados com de compreender como os aspectos socioeconômicos de um pais e consequentemente com alimentação, com o desenvolvimento tecnológico e com a qualidade de alimentos.

Lamentável é constatar que o marco dos avanços tecnológicos em diferentes áreas da ciência, principalmente nas áreas de alimentos e alimentação, foi alicerçado pela miséria que assolou a Europa, no caso, com a Primeira e a Segunda Guerra Mundiais.

O pós guerra, quando os europeus se encintravam sem comida, sem moradia, com uma déficit econômico importante e com uma população fisica, moral, e socialmente "doente", incitou-os a tornarem-se um exemplo de conduta no que diz respeito à produção de alimentos. Mesmo os países com sua extensão territorial limitada e o clima desfavorável à produção agrícola, o sistema é organizado e capaz de fazer com que os seus “filhos e patriados” tenham acesso à alimentação de qualidade sem segregação.

Em contrapartida, constatamos que os países que tem um extenso território arraigado de solos férteis e ricos em mananciais são os que menos produzem, distribuem alimentos, e pior, são os que mais desperdiçam.

Considerando que é escassez e as dificuldades que impulsionam as sociedades para as grandes "conquistas", podemos nos perguntar em relação ao Brasil se: teremos que passar uma situação caótica de guerra civil, miséria e fome para aprendermos a dar valor à produção de qualidade justa e acessível à todos sem exceção ou será que continuaremos ignorando a importância da qualidade dos alimentos oferecidos à uma população?

Vejam na França durante a Segunda Guerra Mundial foi se necessário aderir a carne de cachorro. Da mesma maneira, o Scargot, hoje considerado uma comida francesa requintada foi introduzida na alimentação em função da fome em momentos difíceis. A fome era tanta que as pessoas comiam até caracol!

A experiência teórica e prática adquirida por um profissional que participa da visita técnica da Verakis vai além da oportunidade única de compreender os avanços tecnológicos e as transformações que ocorreram em decorrência da miséria provocada pelas guerras e constatar por si próprio a real possibilidade de normas técnicas no dia-a-dia.

A Verakis propõe a visita técnica alimentação, tecnologia e qualidade de alimentos que acontece em Madrid de 2016, aproveite a oportunidade.

Informações e inscrições: verakis@hotmail.fr

Foto evidenciando local para aquisição de carne de cachorro para consumo  durante a Segunda Guerra Mundial.

Foto evidenciando local para aquisição de carne de cachorro para consumo durante a Segunda Guerra Mundial.

Alimentação, Qualidade e Tecnologia de Alimentos e o Avanço Pós Guerra – VERAKIS.

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Visita Técnica - Espanha

Repost 0

Publié le 15 Juin 2016

A « poire belle Hélène » (Pêra bela Helena) é uma sobremesa composta por pêras cozidas num xarope e cobertas com chocolate quente e podem ser servidas com sorvete de baunilha.

Dizem que esta sobremesa foi criada pelo famoso Chef francês Goerge Auguste Escoffier em 1864, inspirado pela opereta « A Bela Helena » de Offenbach e pela cantora Hortense Schneider que faziam muito sucesso pela Europa nesta época.

A jornalista e historiadora de arte, Petra Foede defende que isso é uma lenda uma vez que Escoffier tinha somente 18 anos nesta época e estava començando sua carreira.

Mito ou verdade, fato é que esta clássica sobremesa francesa é deliciosa e você poderá conhecer mais sobre a Gastronomia francesa durante o Tour Gourmet et Gourmand da Verakis em dezembro, que além de propor oficinas nas melhores escolas de gastronomia da França, promove encontros com chefs e conta muito mais do que técnicas e receitas culinarias.

É uma verdadeira viagem no tempo e no espaço !

Informações e Inscrições: verakis@hotmail.fr

"Poire Belle Helène" - Verakis Gourmet & Gourmande.

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Tour Gourmet

Repost 0

Publié le 14 Juin 2016

Elizabeth Torres, é docente da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - FSP/USP participou da 3a. edição do Banda Larga e Prato Fino (Prato Fino e Boa Informação) em outubro de 2015 em São Paulo.

"A programação foi bastante interessante, há anos tinha interesse em participar".

"Seguramente, faria o curso novamente".

"Eu gostei de modo geral de tudo! Não modificaria nada do curso. Gostei da parte dos desenhos. O curso é bem diferente daqueles que costumo fazer no dia-a-dia".

"Acredito que é interessante participar do curso uma segunda vez! Acredito que não aprendemos tudo na primeira vez".

"Os palestrantes são bem escolhidos e os temas também. Além disso, o ambiente é muito acolhedor."

Prato Fino e Boa Informação.
Prato Fino e Boa Informação.

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Banda Larga

Repost 0

Publié le 13 Juin 2016

Na terra do "jamon" a produção de alimentos é de se admirar...

Uma semana em Madrid, conhecendo linhas de produção, estratégias de marketing, protocolos de qualidade, controles sanitarios...

Alunos e ex-alunos Qualittas, assinantes da Revista Higiene Alimentar e alunos, ex-alunos e clientes da Food Design têm desconto.

Aproveitem!

Informações e Inscrições: verakis@hotmail.fr

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Visita Técnica - Espanha

Repost 0

Publié le 6 Juin 2016

Rédigé par Verakis

Publié dans #Marketing de Alimentos

Repost 0

Publié le 3 Juin 2016

Estratégia de Marketing, Marketing Mix, Valores de uma empresa, Qualidade de produtos, Valores de marca, Valor agregado, Qualidade, Consumo, Sociedade, Política, Macroeconomia, Balança de alimentos, Educação, Capacitação, Treinamento, Adaptação, Atenção...Hábitos Alimentares, Despesas com alimentação, Ingestão de Alimentos, estado Nutricional, Saúde Publica.

O que isso tudo tem tem a ver ? Tudo!!!

Não podemos desvincular educação, saúde pública, hábitos alimentares e consumo, de um produto, da sua qualidade, do seu valor agregado, do seu posicionamento, do seu preço, do seu valor, das estratégias de marketing definidas, do tipo de comunicação...

Querer separar e segmentar mercado de saúde é quase que uma ideologia vã.

Se o consumidor/povo é educado, nenhuma empresa se permitiria justificar a presença de pêlos de rato no seu produto em função da qualidade da matéria prima!

Se os setores da saúde e do "mercado" conseguissem comunicar entre si, por meio de uma mediação dos gestores públicos, se houvessem interesses comum, se houvesse interesse comum por um consumidor saudável e que fizesse questão de alimentos com qualidade, o cenário brasileiro de produtos alimentícios fabricados, distribuídos e consumidos seria diferente, poderia ser parecido com o Europeu.

Não sei nem como definir a explicação da Cargill sobre a presença de pêlos de rato no seu extrato de tomate Elefante, quando diz que foi um problema com a matéria prima. Em compensação no seu site, afirma que a característica do mesmo extrato de tomate é a qualidade. http://http://extra.globo.com/noticias/economia/anvisa-proibe-venda-de-lote-de-extrato-de-tomate-elefante-com-pelo-de-roedor-19394877.html

Existe algo incoerente por aqui! Qualidade de alimento não é assegurar que todos os seus aspectos organolépticos/sensoriais, sanitários e etc. atendam ao mínimo exigido do ponto de vista legislativo, sanitário e do consumidor?

Ora! Quem entrega o produto final não deve controlar a matéria prima?

Quem considera um produto apto para venda e consumo não é responsável pela cadeia de produção do campo à prateleira ?

Pasteurização para eliminar pêlos de rato??? Isso não faz parte da higienização da matéria prima???

E agora? Como é que fica a imagem do nosso querido Jotalhão que foi traído? Colocaram pêlos de rato no seu molho!

Tudo isso pra dizer o que? Que se faz necessário o investimento em educação, em comprometimento e responsabilização do empresariado e governantes brasileiros, em sensibilização e capacitação de profissionais técnicos, para que haja um dia uma governança e um entendimento entre indústria, governo e pesquisa para que o consumidor final possa ter acesso aos alimentos de qualidade e ter saúde.

Convido aos que querem viver experiências que deram e continuam dando certo, aprender com profundidade e voltar para fazer a diferença no Brasil, aos cursos: "Especialização em Marketing de Alimentos em Portugal (julho - 2016) e "Inovação e Gestão da Qualidade de Alimentos (Madrid/Sevilla - 2017).

Informações e Inscrições - verakis@hotmail.fr

Profa. Dra. Juliana T. Grazini dos Santos* - Presidente - Verakis (Fundação Francesa que trabalha pela humanização do conhecimento, e governança entre governo, pesquisa e indústria).

O que o Jotalhão tem a ver com isso?
O que o Jotalhão tem a ver com isso?

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Marketing de Alimentos

Repost 0

Publié le 1 Juin 2016

Formação profissional é investimento pessoal e profissional tão enriquecedor que a inversão monetária acaba sendo ínfima. Sim, são valores monetários consequentes, mas que vale cada centavo em função do retorno.

Quanto custa se especializar na Europa, retornar com um certificado internacional, inserir no CV esta experiência, vivenciar culturas, conhecer pessoas diferentes, voltar com um conhecimento diferenciado, inovador e vanguardista, a maturidade pessoal e profissional adquirida, a capacidade de adaptação e empatia, e as novas experiências?

Custa caro em termos de organização, vontade, garra, persistência, curiosidade, seriedade, afinco, motivação, empatia.

Monetariamente garantimos que custa muito menos que uma especialização no Brasil visto que:

- Se compararmos o valor entre os cursos, o europeu é mais barato. Coloque no papel (x reais x 24 meses) em seguida multiplique o valor do curso europeu pelo valor do euro. Em seguida lembre-se que a especialização na Europa é concentrada, tem duração de 1 a 3 meses (3 meses se você optar pelo estágio prático) e logo em seguida você já esta apto para entrar no mercado como especialista internacional;

- Os gastos paralelos ao curso (estadia, alimentação e transporte) também são menos pois se você multiplicar todas as refeições, transporte (ônibus metro ou gasolina + estacionamento) + alimentação pelos dias que estará cursando a formação no Brasil. Você vai perceber que estes gastos são parcelados mas eles acabam sendo maiores no final e você ainda espera pelo menos 1 ano e 1/2 para entrar no mercado com este titulo e formação;

- Se você tivesse que pagar por um curso "premium", tomando em consideração o nível dos professores, o conteúdo abordado, as visitas técnicas, estágios e encontros profissionais ai mesmo no Brasil, o valor seria pelo menos 2 vezes mais caro.

Vivência internacional não tem como mensurar em valor monetário.

O que custa realmente este curso? Organização, previsão, disciplina, comprometimento, e muita vontade.

A Verakis esta aqui para auxiliá-los, para orientá-los além de idealizar e proporcionar esta experiência única, diferente e diferenciadora.

Você quer fazer parte dos profissionais de elite? Encare o desafio, e venha com a gente!

Ainda nos restam as últimas vagas para a 7a. Edição do Curso de Especialização.

Informações e Inscrições: verakis@hotmail.fr

Quanto custa a especializaçao na Europa?

Voir les commentaires

Rédigé par Verakis

Publié dans #Marketing de Alimentos

Repost 0